quarta-feira, 14 de março de 2012

O Amor é atencioso!


O amor pensa. Ele não é um sentimento tolo que passeia pelas ondas da emoção e então cai no sono mental. Ele se mantém ocupado em pensamentos, sabendo que os pensamentos amorosos precedem as atitudes amorosas.

Quando você se apaixonou, o pensamento veio quase que naturalmente. Você passou horas imaginando como seria a pessoa amada, imaginando o que ela estaria fazendo; ensaiando coisas marcantes para dizer e, depois, curtindo doces memórias do tempo que passaram juntos. Você disse sinceramente: "Eu não consigo parar de pensar em você." 

Mas, para a maioria dos casais as coisas começam a mudar logo depois do casamento. A esposa finalmente tem seu marido; o marido já tem seu troféu. A caça está terminada e a perseguição encerrada, Fagulhas de romance vagarosamente tornam-se cinzas e a motivação para o pensamento esfria. Você se deixa focar em seu trabalho, seus amigos, seus problemas, seus desejos pessoais, em você. Depois de algum tempo, você involuntariamente começa a ignorar as necessidades do seu cônjuge. 

Mas o fato de que o casamento acrescentou outra pessoa em seu universo não mudou. Então, se o seu pensamento não amadureceu o bastante para constantemente incluir esta pessoa, você se pega sendo surpreendido ao invés de reflexivo. “Hoje é nosso aniversario?” “Por que você não me inclui nesta decisão?” “Você nunca pensa em ninguém além de você mesmo?”

Se você não aprender a ser reflexivo, acabará se arrependendo por ter perdido oportunidades de demonstrar amor. A falta de atenção é um inimigo silencioso para um relacionamento amoroso. 

Sejamos honestos. Os homens lutam mais contra a falta de atenção do que as mulheres. O homem tem a capacidade de focar em apenas uma coisa, como um laser, e esquecer-se do resto do mundo. Enquanto isto pode beneficiá-lo naquela área específica, pode também fazê-lo ignorar outras coisas que precisam de sua atenção. 

A mulher, por outro lado, é mais multiconsciente, capaz de manter-se incrivelmente atenta a vários fatos ao mesmo tempo. Ela tem a capacidade de falar ao telefone, cozinhar, saber em que cômodo da casa as crianças estão e se perguntar por que seu marido não a está ajudando... Tudo simultaneamente. Além disso, a mulher também pensa no coletivo. Quando ela se envolve em algum trabalho específico, fica a par de todas as pessoas que de alguma forma estão ligadas a ele. 

Essas duas tendências são exemplos de como Deus projetou as mulheres para completarem os seus maridos. Como Deus disse na criação: "Não é bom que o homem esteja só; farei para ele alguém que o auxilie e o corresponda" (Gênesis 2:18). Porém, essas diferenças também criam oportunidades para o desentendimento. 

Homens, por exemplo, tendem a pensar de forma objetiva e a dizer exatamente o que querem dizer. Não é preciso mais nada para compreender a mensagem. Suas palavras são mais literais e não devem ser analisadas além do que foi dito. Mas, as mulheres falam e pensam nas entrelinhas. Elas têm a tendência de fazer insinuações. Um homem precisa ouvir também o que está implícito se quiser obter o significado completo do que uma mulher diz. 

Se um casal não tem essa compreensão um do outro, isso pode resultar em desentendimentos sem fim. Ele fica frustrado tentando entender por que ela fala em enigmas ao invés de falar de uma vez o que quer. Ela fica frustrada tentando entender por que ele é tão desatento e não soma dois mais dois para compreender o que ela diz. 

Uma mulher deseja profundamente que seu marido seja atencioso e reflexivo. Essa é uma das chaves que a ajuda a sentir-se amada. Quando ela fala, o homem sábio ouve como um detetive para descobrir as necessidades e desejos implícitos em suas palavras. Contudo, se ela sempre tem que juntar as peças, ele perde a oportunidade de demonstrar que a ama. 

Isto também explica por que as mulheres ficam chateadas com seus maridos sem dizer a eles o porquê. Ela pensa: "Eu não deveria ter que explicar isso para ele. Ele precisa ser capaz de olhar a situação e entender o que está acontecendo aqui." Ao mesmo tempo, ele se sente mal porque não pode ler a mente dela e deseja saber por que está sendo punido por um crime que não sabia que havia cometido. 

O amor requer atenção - dos dois lados - o tipo de atenção que constrói pontes através da combinação de paciência, bondade e generosidade. O amor ensina a acertar o alvo, a respeitar e a apreciar a maneira única de pensar do seu cônjuge. 

O marido deve ouvir a sua esposa e aprender a considerar as mensagens não ditas. A esposa deve aprender a se comunicar com atenção e não dizer uma coisa significando outra. 

Porém, com freqüência você fica irado e se frustra, seguindo o padrão destrutivo "Preparar, apontar, fogo!" Você fala de forma dura e só depois pensa se deveria ter dito o que disse. Mas a natureza atenciosa do amor lhe ensina a usar a mente antes de usar os lábios. O amor pensa antes de falar. Ele filtra as palavras com a peneira da verdade e da bondade. 

Quando foi a última vez que você gastou alguns minutos pensando em como poderia demonstrar amor ao seu cônjuge e entendê-lo melhor? Qual a necessidade imediata que você pode suprir? Para qual próximo evento (aniversário, data comemorativa, feriado) você já pode se preparar? Grandes casamentos vêm de grandes reflexões.

Faça o Desafio!