quinta-feira, 24 de maio de 2012

Antes plebeus...


Por que nos comportamos tão mal enquanto filhos? Por que somos tão auto-defraudadores (criamos expectativas onde não tem nada)? Tão tolos? Por que nos contentamos com migalhas?

Simples, éramos plebeus antes de aceitarmos a Jesus, e descobrimos de um dia pro outro que somos PRÍNCIPES e PRINCESAS, mas nosso comportamento, infelizmente, ainda é de plebeu. Maus costumes, maus pensamentos, uma vulnerabilidade que nós não temos mais e teimamos em ter.

Tudo porque passamos uma vida inteira achando que éramos homens e mulheres do povo e quando fomos resgatados pelo Rei continuamos com o mesmo comportamento, porque foi aquilo que aprendemos a vida inteira. Por isso Deus (o Rei) tem tanta paciência no processo pra que nos comportemos como membros da família Real.

Temos que nos submeter a observar nossos irmãos experientes, ouvir os conselhos deles, apenas observar, para então, nos apresentarmos a sociedade como REALEZA.

“A natureza criada aguarda, com grande expectativa, a manifestação dos filhos de Deus.” (Romanos 8:19) - Assim, como o Rei que apresenta seu filho perdido!

Quando nós erramos não quer dizer que somos indignos. Éramos plebeus e ainda não conseguimos muitas vezes nos comportar diferente disso.

O que aprendemos com essa história, que aparentemente é só bonitinha?
Se analisarmos, a maioria de nós se identificará e veremos quantas vezes andamos em passos errados achando que sacávamos tudo de Reino.

Eu fui uma delas, achei que, de um dia para o outro, tudo mudaria e que era apenas vestir a roupa de princesa. Mas me enganei, andei muito tempo pela minha força de vontade, determinação e disciplina no evangelho e esqueci da Graça, que me põe como ser humano falho, dependente do favor de Deus, esqueci que era só um coração humilhado e prostrado que o agradaria (Salmos 51:17).

E com as mãos estendidas cheias de erros, confessei os meus pecados, chorei o meu arrependimento das inúmeras vezes que me comportei como alguém sem nobreza e refinamento.

Nesse instante vi o episódio de Lázaro, agora em minha vida. Tirei a pedra da força humana e a palavra profética se cumpriu:

“[...] Jesus, bradou em alta voz: venha para fora.” (João 11:43)

A filha que estava morta pelo pecado, agora vive e está de volta à casa do Pai. Antes plebéia, hoje Princesa. Envolvida nos laços de amor e misericórdia do Rei dos reis e Senhor dos senhores.

Ainda sou falha, assim como você e tantos outros, mas nunca esquecerei que:

“[...] aquele que em vós começou a boa obra a aperfeiçoará até ao dia de Jesus Cristo.” (Filipenses 1:6)

Texto extraído do Blog Salgando!